Receitas de coquetéis, destilados e bares locais

Assistir: 'Milkbots' permitem que vacas ordenhem a si mesmas

Assistir: 'Milkbots' permitem que vacas ordenhem a si mesmas

As máquinas de ordenha robóticas aumentaram a produtividade tanto para humanos quanto para vacas em O.A. Fazenda da família Borden & Sons

O útil "milkbot" permite que as vacas escolham seus próprios horários de ordenha e todos fiquem mais felizes.

A família Borden e sua fazenda no interior do estado de Nova York entraram no "admirável mundo novo dos sistemas de ordenha automatizados" com a introdução do "milkbot", uma versão rotunda e de aparência amigável do Dalek, relata o The New York Times.

A família opera fazendas na área desde 1837 e recentemente investiu US $ 1,2 milhão nas máquinas de ordenha.

Os milkbots não só aumentaram a quantidade de leite coletada em um determinado dia, mas também "aumentaram a produtividade geral para humanos e vacas, reduzindo os custos de mão de obra". Os bots também alimentam cada vaca quando ela entra na cabine automatizada. Por sua vez, o sistema de recompensa ensinou as vacas a ordenharem a si mesmas.

Cada vaca pode entrar na cabine de ordenha sempre que estiver pronta, ao contrário do cronograma de ordenha tradicional definido pelo fazendeiro. A redução da jornada de trabalho dos fazendeiros tem permitido até que a família passe mais tempo de qualidade com o rebanho.

É um rebanho de vacas totalmente diferente do que costumava ser ”, diz Mike Borden, acariciando uma vaca que veio mordiscar seu braço. “Eles estão muito felizes aqui. Vacas felizes são um fazendeiro feliz. ”

Karen Lo é editora associada do The Daily Meal. Siga-a no Twitter @appleplexy.


As melhores maneiras de usar leites não lácteos que não envolvem cereais

As razões para evitar ou minimizar os laticínios na dieta são inúmeras e muitas vezes pessoais. Aderir a hábitos alimentares veganos pode ter um impacto positivo em tudo, desde seu sistema digestivo, seu peso, o planeta em geral, até a pessoa sentada atrás de você aproximadamente uma hora após o café da manhã. Ou talvez seja uma simples questão de estar cansado do cemitério de caixas de leite quase vazias em sua geladeira, quando os leites não lácteos geralmente têm uma vida útil muito mais longa. E, por sorte, vivemos em um momento em que o grande volume de mensagens de saúde que nos inundam garante que uma criança média de 11 anos provavelmente possa citar três fontes de cálcio fora do reino dos laticínios por cima dela cabeça.

A decisão de incorporar leites alternativos aos laticínios em sua dieta pode ir muito além de espumar em cappuccinos e espirrar em flocos de milho. Nem todos os leites não lácteos são criados iguais - cada um tem seu próprio sabor e textura únicos - então reunimos alguns dos melhores usos para cinco dos leites não lácteos mais comuns.

Oster Pro 1200 Blender com Glass Jar, Smoothie Cup e Food Processor Attachment, $ 78,99 na Amazon

Quer você faça seu próprio leite de nozes ou apenas use vitaminas compradas em lojas, você precisará de um bom liquidificador para fazer o trabalho.

Leite de soja

O leite OG não lácteo que se tornou onipresente em nossos supermercados é, na verdade, o mais próximo do leite real no que diz respeito à textura e ao teor de proteína. Seu sabor tem um leve toque que às vezes pode se destacar quando usado de forma não mascarada, como em cereais, mas é um dos produtos assados ​​vegan ou sem laticínios mais saborosos e estruturalmente sólidos. Para um pouco de doçura, experimente Panquecas de Aveia de Trigo Integral ou Muffins Recheados com Geleia Vegan. Para uma refeição saborosa, experimente um Creme Vegano de Sopa de Cogumelos, onde a terrosidade natural do leite de soja se encaixa perfeitamente.

Leite de amêndoa

O problema dos leites à base de nozes é que eles não contêm tanta proteína quanto seus homônimos sugerem. A vantagem, no entanto, é que os leites à base de nozes gosto de seus homônimos, tornando-os deliciosos em preparações onde as nozes reais também funcionariam. O leite de amêndoa tem uma doçura natural, o que o torna excelente em smoothies como este delicioso e limpo Mixed Berry Smoothie. Leite de amêndoa também pode adicionar um elemento rico e umami às carnes assadas, como neste Leite de Amêndoa Barriga de Porco Assada.

Leite de côco

Há uma grande diferença de textura entre o leite de coco em uma caixa, que é de textura leve, com apenas um leve ar de coco, e o leite de coco em uma lata, que é muito mais rico com um sabor pronunciado de coco. E depois há o creme de coco, que é a prova de que preciso da existência de um poder superior benevolente. Com qualquer um desses em mãos, você tem opções quando está realmente ansioso por algo cremoso, sem sucumbir ao creme real. No lado mais leve, use leite de coco não adoçado e embalado para uma sopa de coco tailandesa aromática. O leite de coco em lata é a base para curries ricos, como nosso curry de berinjela com capim-limão. Quando você sentir um desejo que só a mousse dos sonhos pode enfrentar, use creme de coco nesta Mousse de Chocolate Duplo de 3 Ingredientes.

Leite de Aveia

Depois do leite de soja, o caráter do leite de aveia é mais parecido com o leite normal com baixo teor de gordura e traz mais fibras para a mesa do que muitas opções não lácteas. Também é mais fácil de fazer você mesmo se você estiver dando uma chance DIY para 2019. Talvez nem seja preciso dizer, mas troque o leite de aveia em seu mingau de aveia para um resultado (aveia?) Que é quase autocongratulatório e, em seguida, beba um Coquetel de leite e mel de aveia no espírito de parabéns. Agora que você está realmente se sentindo picante, use leite de aveia como base para um molho béchamel básico para acompanhar vegetais ou (mais provavelmente) macarrão.

Leite de caju

Enquanto o leite de soja e o leite de aveia são os substitutos mais fáceis do leite real, a castanha de caju e o leite de caju são os melhores substitutos do queijo. Os cajus quase pulverizados têm uma textura mais parecida com a da ricota do que com a manteiga de amendoim, e um sabor que é levemente fermentado, de uma forma queijosa. Se você tiver os recursos, use os próprios cajus como base para um decadente Mac e Queijo de Caju, aplique leite de caju em qualquer situação que implore por creme ou queijo parmesão, como purê de batata ou este macarrão cremoso com alho e pimenta vermelha torrado.

Vídeo relacionado: como fazer seu próprio leite de amêndoa

Todos os produtos apresentados são selecionados de forma independente por nossos editores. Quando você compra algo por meio de nossos links de varejo, podemos receber uma comissão. Para mais produtos excelentes escolhidos a dedo, visite a Chowhound Shop.


Tutorial do processo cremoso de leite de vaca frio

Sabão feito com leite de cabra é popular, mas você sabia que sabonetes luxuosos também podem ser feitos com leite de vaca? Para este Tutorial do Processo de Leite de Vaca Cremoso Frio, leite de vaca integral é usado para adicionar umidade extra e propriedades de amor à pele. Cheio de contraste, este projeto apresenta camadas em preto e branco que lembram um padrão de vaca. A combinação do perfume dos óleos de fragrância Baunilha Jacarandá e mancha de grama cria uma mistura que é quente e verde & # 8230 semelhante a um celeiro!

Congelar o leite de vaca antes de adicionar a soda cáustica evita que o leite queime. Para obter um tutorial passo a passo desse processo, confira esta postagem do blog Como adicionar soda cáustica ao leite para sabonete de processo frio. Ao selecionar o leite para fazer sabão, preste atenção ao mínimo de aditivos, como vitaminas, conservantes ou espessantes. Esses aditivos podem causar resultados de ensaboamento imprevisíveis. Pode ser difícil encontrar leite sem vitaminas. Esta receita usa leite integral com adição de vitamina D e funcionou muito bem. Você também pode usar leite desnatado, 1% ou 2%, se desejar.

Clique aqui para adicionar tudo que você precisa para este projeto ao seu carrinho de compras Bramble Berry!

Se você nunca fez sabonete Cold Process antes, pare aqui! Eu recomendo fortemente verificar nossa série SoapQueen.tv GRÁTIS em quatro partes sobre Cold Process Soapmaking, especialmente o episódio sobre segurança de soda cáustica. E se você preferir ler um pouco, Bramble Berry oferece uma ampla variedade de livros sobre o assunto, incluindo meu mais novo livro, Soap Crafting. Você também pode verificar os downloads digitais para esse fator de gratificação instantânea.

SEGURANÇA PRIMEIRO: Prepare-se para práticas seguras de manuseio! Isso significa óculos, luvas e mangas compridas. Certifique-se de que crianças, animais de estimação e outras distrações e riscos de tropeçar estejam fora de casa ou não tenham acesso ao seu espaço de ensaboar. Sempre use sabão em uma área bem ventilada.

LEITE PREP: Meça 11,6 onças de leite integral. Despeje o leite em bandejas de cubos de gelo e coloque-os no congelador até ficarem completamente firmes (várias horas até a noite).

COLOR PREP: Para garantir que o Dióxido de Titânio se misture perfeitamente à massa de sabão, recomendamos micronizá-lo antes de dispersá-lo no óleo. Observe que esta é uma dica opcional, mas ajuda com a aglutinação de dióxido de titânio no sabão =) Para micronizar o corante, basta usar um moedor de café para misturar o corante para quebrar quaisquer aglomerados de cor e evitar que estrias de branco apareçam no sabonete final. Gostamos de usar um moedor de café que tenha uma área de mistura removível de aço inoxidável para facilitar a limpeza. Em seguida, disperse 2 colheres de chá do corante em 2 colheres de sopa de óleo de girassol ou amêndoa doce (ou qualquer outro óleo líquido). Dispersar 2 colheres de chá de carvão ativado em 2 colheres de sopa de óleo líquido leve. Use um mini mixer para obter os aglomerados de cores resolvidos sem problemas.

1: Retire o leite totalmente congelado das bandejas para cubos de gelo e coloque-o em um recipiente que foi colocado em um banho de gelo. Lentamente, adicione soda cáustica e mexa até que ela esteja totalmente dissolvida e o leite se torne líquido. Clique aqui para ver este processo e mais dicas sobre como criar uma mistura de soda cáustica e leite. Se desejar uma barra de sabão mais dura que se solte mais rapidamente do molde, você pode adicionar lactato de sódio ao leite de soda cáustica resfriado. Use 1 colher de chá de lactato de sódio por quilo de óleos na receita. Para esta receita, você adicionaria cerca de 2,5 colheres de chá. lactato de sódio.

DOIS: Derreta e misture o óleo de coco, o azeite de oliva, a manteiga de karité, o óleo de amêndoa doce e os óleos de palma (lembre-se de derreter totalmente e misture todo o recipiente de óleo de palma antes de repartir). Depois que os óleos esfriarem a 130 graus ou menos, adicione o leite de soda cáustica aos óleos e misture até obter um traço fino.

TRÊS: Assim que a massa atingir um traço leve, divida-a igualmente em dois recipientes. Cada recipiente pode conter cerca de 3 xícaras. Em um recipiente, adicione todo o dióxido de titânio disperso. Use um batedor para misturar totalmente.

QUATRO: No outro recipiente, adicione 1 colher de sopa e 2 colheres de chá do carvão ativado disperso e use um batedor para misturar totalmente. Ao sabão preto, adicione o óleo de fragrância de jacarandá de baunilha. Ao sabonete branco, adicione o óleo de fragrância de manchas de grama e use um batedor para misturar. Como o jacarandá baunilha muda para um marrom profundo, certifique-se de não misturar as fragrâncias! Você pode ler mais sobre descoloração de fragrâncias no artigo Por que meu sabonete ficou marrom.

CINCO: A técnica colher-plop funciona melhor com um traço espesso. Para engrossar o sabão, misture bem cada cor por alguns segundos, se necessário. O sabão deve ter a textura de um pudim.

SIX: Pegue uma colher grande para cada cor. Coloque o sabão no molde, uma cor de cada vez, espalhando-os em três pontos diferentes dentro do molde.

SETE: Continue a jogar o sabonete, colocando o sabonete branco sobre o preto e vice-versa. Use alguns plops grandes e alguns pequenos para adicionar interesse visual.

OITO: Continue espalhando as cores até que o molde esteja completamente cheio. Bata no molde com firmeza no balcão para ajudar a liberar as bolhas de ar.

NOVE: Use uma colher para espalhar o sabão em direção ao centro. Em seguida, gire e vire o sabonete no sabonete para criar textura. Tenha cuidado para não brincar muito com o sabonete, ou as cores irão se misturar em um tom de cinza claro. Borrife o topo do sabonete com álcool isopropílico 99% e coloque o sabonete no freezer por 5-24 horas para ajudar a prevenir a fase de gel. Retire o sabão do freezer e deixe descansar na forma por 4-5 dias. O sabonete de leite pode ser um pouco mais macio devido à gordura extra do leite. Paciência é a chave =) Depois de cortado, a cor do sabonete preto ficará mais escura com o tempo devido ao conteúdo de baunilha no óleo de fragrância de jacarandá de baunilha.

Você já usou leite de vaca em sabão antes? Adoraria ouvir o que você achou!


APRESENTAÇÃO DE NOVAS VARIEDADES DE ALIMENTOS COM ALERGIA AO LEITE DE VACA (CMA)

A alimentação complementar - também conhecida como desmame - é um momento emocionante para você e seu bebê, pois você observa seu filho progredir da amamentação e / ou fórmula para comer as refeições em família. Mesmo que seu bebê possa ser alérgico ao leite de vaca, você deve tentar introduzir uma variedade de alimentos e sabores - evitando o leite, é claro.

Não há evidências de que atrasar a introdução de trigo, soja, ovo, peixe e nozes irá prevenir o desenvolvimento de alergias. Na verdade, há evidências de que a exposição precoce a esses alimentos pode ser benéfica. Os pais devem consultar um profissional de saúde quando começar a desmamar uma criança com eczema ou quando tiver uma reação a outro alimento que não seja o leite.

As receitas a seguir, desenvolvidas com os principais nutricionistas de todo o Reino Unido, irão ajudá-lo a preparar receitas sem leite para seu filho. À medida que sua confiança aumenta e seu filho cresce, você pode adaptar as refeições familiares para torná-las adequadas para o CMA.


O que as vacas gostam de comer?

Os agricultores cultivam diferentes tipos de safras em suas fazendas, e é verdade que parte disso vai para a alimentação de animais. Sabemos que há confusão sobre que tipo de agricultura faz o melhor uso de nossos recursos e queremos ajudar a explicar parte disso hoje.

Em 2008, os pesquisadores entrevistaram 350 produtores de leite de todo o país para descobrir exatamente o que as vacas leiteiras gostam de comer. Depois de examinar esses ingredientes comuns, os pesquisadores aprenderam que 80% do que as vacas comem não podem ser comidos pelas pessoas e simplesmente não podemos digeri-los.

Eles aprenderam que a maioria das dietas para vacas contém o seguinte:

  • Grama: Mais de 50% da alimentação das vacas é na verdade grama (os fazendeiros chamam de feno e silagem). Embora as pessoas muitas vezes pensem que as vacas leiteiras são alimentadas com uma dieta rica em grãos, na realidade elas comem as folhas e os caules do milho, trigo e aveia com muito mais frequência do que comem grãos, como os grãos de milho.
  • Grãos: as vacas leiteiras comem alguns grãos, que geralmente representam menos de um quarto de sua dieta. Alguns foram cultivados especificamente para vacas e outros tipos foram reciclados após a produção de alimentos ou bebidas - como a cevada, que foi usada primeiro para fabricar cerveja.
  • O resto da dieta de uma vaca inclui ingredientes como casca de amêndoa, farinha de canola (as sobras da produção do óleo de canola), polpa cítrica (as sobras da fabricação do suco de laranja e outras bebidas) e muito mais. Aqui está o legal: esses produtos, que antes eram jogados fora, são realmente bons para vacas. As vacas podem & ldquounlock & rdquo a energia e os nutrientes desses produtos que, de outra forma, iriam para o lixo.

E aqueles 20 por cento que poderíamos comer? Os pesquisadores olharam mais longe e descobriram que não quereríamos comer muito dele, mesmo que pudéssemos. Apenas 2,2% do que as vacas comem é composto de alimentos que as pessoas gostariam de comer. Simplesmente não há demanda por ele. Resumindo, as vacas realmente não comem alimentos que as pessoas possam comer. É apenas um equívoco.

Isso significa que nossos recursos estão sendo bem utilizados: vacas leiteiras têm a capacidade única de converter ração em alimento humano. As vacas leiteiras crescem em partes das plantas que podemos comer, mesmo se quisermos. Eles transformam essas plantas em alimentos que nos ajudam a prosperar, incluindo leite delicioso e nutritivo & ndash e don & rsquot esqueça queijo, iogurte, sorvete e muito mais!

Os produtores de leite levam a sério seu compromisso de alimentar a nação e o mundo. Para ajudar a combater a fome, produtores de leite e empresas estão trabalhando com a Feeding America, a maior instituição de caridade nacional contra a fome do país, para fornecer litros de leite para aqueles que mais precisam por meio da Great American Milk Drive.


Ordenha uma vez ao dia

Parece bucólico, não é? As simples alegrias de ordenhar sua própria vaca. Leite fresco, natas frescas, queijo caseiro, manteiga, iogurte. O que pode ficar melhor do que isso?

Mas quando cara a cara com um gigante bovino com chifres de 1200 libras, esse entusiasmo pode diminuir. Embora não haja dúvidas de que ordenhar sua própria vaca lhe dará uma sensação de segurança e independência, por onde você deve começar? Como você ordenha uma vaca?

Três vezes no último mês, recebi telefonemas de pessoas em busca de conselhos. Eles queriam ordenhar uma vaca da família, mas não tinham ideia de como começar. Essas pessoas estavam cheias de informações erradas sobre o que é preciso para ordenhar - quanto trabalho dá para treinar a vaca, as dificuldades em separar os bezerros, etc.

Portanto, em um esforço para dissipar os mitos e preocupações, venha conosco em nossas aventuras de ordenha.

Como começamos

Recebemos nossa primeira vaca e nosso bezerro recém-nascido de forma bastante inesperada. Na verdade, foi tão inesperado que os animais viveram em nosso quintal por cerca de duas semanas até que pudéssemos tomar outras providências. Acredite em mim, não há motivação mais forte para construir um curral do que ter uma vaca meio selvagem e um bezerro arisco batendo em seu gramado e deixando tapinhas de vaca por toda parte.

Finalmente, fomos capazes de conduzir os animais ao seu recém-cercado (1/4 acre) & # 8220corral & # 8221 até que pudéssemos cercar o pasto. Mas, é claro, não consegui começar a ordenhar a vaca até conseguir separar o bezerro à noite. Portanto, construímos um cercado para bezerros e trancamos o bezerro durante a noite.

Depois de ouvir o bezerro e a vaca berrando a noite toda com a indignidade de estar separado, fui com o coração trêmulo ordenhar na manhã seguinte. Com a vaca solta - eu não tinha como contê-la, já que ela não era treinada para cabresto - coloquei um balde de grãos na frente dela e me agachei para tirar leite.

Claro, eu não tinha ideia de como ordenhar, mas depois de cinco minutos tateando lá embaixo, consegui dar alguns apertos no balde de ordenha.

Então a vaca levantou uma perna de trás e casualmente chutou o balde. Minhas suadas três onças mergulhadas no chão. Então, para adicionar insulto à injúria, ela terminou seu grão e foi embora, e não me deixou em qualquer lugar perto de seu úbere sem um suborno.

Obviamente, algo precisava ser feito.

Como Bossy não era treinada para cabresto, eu sabia que tentar colocá-la em uma escora seria uma proposta perdida. Então, pedi a meu marido que construísse algum tipo de barraca de ordenha, algo que eu pudesse atraí-la para dentro e, em seguida, prendê-la no lugar para que ela não pudesse sair, mesmo que quisesse. Ele fez isso, acrescentando-o ao lado do cercado para bezerros. Então, como o inverno estava chegando e eu queria ordenhar enquanto estivesse abrigada, ele acrescentou um telhado. Uma coisa se seguiu à outra e, no ano seguinte, ele acrescentou outro curral para bezerros, um celeiro de feno e uma passagem para armazenar grãos e os implementos do celeiro. Nós o chamamos de & # 8220Winchester Mystery Barn & # 8221 (para aqueles que estão familiarizados com a Winchester Mystery House em San Jose, Califórnia).

Ordenha uma vez ao dia

Exorto-o a desafiar a sua noção preconcebida de como uma vaca & # 8220 & # 8221 deve ser ordenhada, nomeadamente, duas vezes por dia. Uma mulher com quem conversei ficou surpresa ao saber que as vacas não precisam ter um cronograma rígido de ordenha. Ela tem oito filhos com idades entre três meses e treze anos e vinha resistindo à ideia de ordenha porque suas noites eram muito cheias para permitir aquela tarefa noturna. A ordenha uma vez ao dia era mais compatível com sua programação e, depois de nossa conversa, ela estava animada para tentar.

A ordenha uma vez ao dia funciona para nós por vários motivos. Primeiro, ele nos dá todo o leite de que precisamos, com sobra suficiente para fazer um lote de mussarela uma vez por semana, mas sem nos dar tanto leite extra que a geladeira transborde.

Em segundo lugar, posso ordenhar quando quiser, dentro do razoável. No verão, eu ando no celeiro por volta das 5h30 da manhã, às vezes mais cedo. Durante o inverno, parece mais 8h00. As vacas não se importam.

Terceiro, não preciso alimentar o bezerro com mamadeira. A vaca cuida disso. Isso libera nossa programação em mais de uma maneira: se precisarmos passar a noite fora, por exemplo, simplesmente deixamos o portão do curral aberto para que os animais tenham acesso livre ao curral. Não confinamos os bezerros e eles amamentam alegremente a noite toda. Sem problemas.

Já que não tenho que ordenhar a vaca à noite, minhas únicas tarefas noturnas são chamar os animais para o curral e fechar o portão atrás deles (eu já fiz as tarefas do estábulo, como limpar e encher as prateleiras de feno , mais cedo no dia).

Quarto, a menos que você esteja preparado para remover o bezerro imediatamente ao nascer e criá-lo à mão, longe da vista da vaca, você pode simplesmente passar as responsabilidades maternas para a própria vaca. Ela está mais do que feliz por ser mãe de seu próprio filhote. Você terá que trabalhar um pouco mais para treinar o bezerro com cabresto quando ele / ela for mais velho, mas até então seu trabalho será simplificado. Isso me parece um arranjo mais saudável e benéfico para todas as partes envolvidas.

Tudo bem, isso parece ótimo. Agora, como você ordenha uma vaca?

Como começar

Primeiro passo: pegue uma vaca (duh). Pessoalmente, gosto de Dexters, (www.purebreddextercattle.org) uma pequena raça irlandesa de dupla finalidade (leite e carne) e não dá tanto leite quanto, digamos, uma Jersey. Isso significa que não estamos nadando no leite. Outras pessoas com famílias numerosas podem preferir uma raça de alta produção de leite. Vá com o que funciona para você.

I & # 8217ve vacas ordenhadas que são treinadas com cabresto e aquelas que não são & # 8217t. Nem é preciso dizer que vacas treinadas com cabresto são mais fáceis de manusear, mas certamente é possível mesmo se o animal não tiver treinamento. Claro, se sua vaca estiver completamente selvagem e fugir aterrorizada no momento em que você mostrar seu rosto, você terá problemas para confiná-la em uma baia de ordenha ou suporte. Pegue outra vaca.

Os requisitos básicos para ordenha uma vez por dia são: (1) um cercado para bezerros, para confinar os bezerros durante a noite para que a vaca possa & # 8220acumular & # 8221 seu leite pela manhã (2) uma baia de ordenha ou suporte com um depósito de grãos ou outro recipiente (ou seja, um balde em um suporte) e (3) grãos. Nunca subestime os fatores motivadores do grão para que sua vaca faça o que você deseja.

Treine seus animais para entrar no curral à noite. Se o seu rebanho estiver espalhado por toda parte, você terá que manter seus animais de ordenha por perto ou terá que entrar em suas vastas propriedades e levar seus animais de ordenha de volta todas as noites. Nós fizemos ambos.

Como você treina uma vaca para entrar em uma baia de ordenha? Não importa se sua vaca é treinada para cabresto ou não, você pode treiná-la para entrar usando grãos. Agite um punhado de grãos diante do nariz dela e deixe-a observar enquanto você os coloca no depósito de grãos ou no balde que você montou na barraca de ordenha. Pode levar alguns dias para a vaca criar coragem para ir atrás do grão, mas tudo bem. Depois que ela entrar totalmente, não se apresse demais para prendê-la e mergulhar para o úbere. Deixe-a relaxar e aprender que estar na baia de ordenha não é uma experiência alarmante.

O momento ideal para treinar uma vaca é nas primeiras duas semanas após o parto. Durante essas duas semanas, o bezerro deve ter acesso irrestrito à vaca, dia e noite, para fornecer uma ligação adequada e para fornecer colostro ao bezerro, o primeiro leite para fortalecimento imunológico & # 8221 & # 8221 que a vaca produz. Durante esse tempo, você pode treinar a vaca para entrar na baia com calma.

A primeira vez que você confina sua vaca na baia de ordenha, ela pode lutar e se esforçar para sair. A baia deve ser estreita o suficiente para que o animal não possa se virar.

Ok, o dia (ou noite) chegou quando é hora de colocar o bezerro no curral. A maneira mais fácil de fazer isso é atrair a vaca para dentro com alguns grãos, e o bezerro a seguirá. Peça a outra pessoa para conter o bezerro enquanto você empurra a vaca para fora e tranque o portão.

Ao construir seu curral para bezerros e baia de ordenha, coloque-os lado a lado. Isso será calmante para vacas e bezerros. O cercado para bezerros deve permitir que os bezerros sejam visíveis e & # 8220 cheirosos & # 8221 para a vaca, mas não & # 8220nursáveis. & # 8221 Os animais devem ser capazes de tocar o nariz, mas o bezerro não deve ser capaz de alcançar a vaca & # 8217s úbere.

Não se deixe enganar pela ideia de que se o bezerro estiver & # 8220 fora da vista, longe da mente & # 8221, a vaca se acalmará mais rápido. Acredite em mim, não funciona assim. A vaca ficará louca procurando seu bezerro se você tiver construído o cercado para bezerros a qualquer distância. Se você colocar o cercado para bezerros onde a vaca possa cheirar seu bebê, ela ficará irritada com a separação, mas não frenética.

Prepare-se para um barulho incrível na primeira noite em que o filhote for separado de sua mãe. O bezerro vai balir e chorar. A vaca vai berrar como um louco. Quaisquer outros animais nas proximidades berrarão em solidariedade. Vai soar como Jurassic Park no celeiro.

Na manhã seguinte, com o coração trêmulo, você irá ao celeiro ordenhar sua vaca. Lembre-se de que isso não será fácil. Na verdade, pode ser tão frustrante que você fique tentado a desistir. Não & # 8217t.

A vaca, depois de berrar a noite toda, está de mau humor. Ela também ficará desconfortável porque seu úbere está cheio (além disso, ela odeia ser separada de sua panturrilha). Portanto, quando você a coloca pela primeira vez na baia de ordenha e realmente tem a audácia de tocar seu úbere, ela chutará, deslizará e trovejará ao redor. Não se deixe intimidar pela inquietação da vaca e pelas tentativas de sair do estábulo. Apenas deixe que ela se debata - e não, sob nenhuma circunstância, deixe-a sair antes que você esteja pronto. Do contrário, a vaca aprenderá que, se agir de forma desagradável, você ficará frustrado e a deixará solta. Lição ruim para uma vaca aprender. Você terá sorte se conseguir 90 gramas de leite no primeiro dia. Não se preocupe, as coisas vão melhorar.

E - não importa o quanto sua vaca se debata e chute - nunca, jamais bata nela. Acredite em mim, a tentação de socar sua vaca quando ela está se comportando mal pode ser insuportável. Resistir. Você nunca quer que sua vaca associe algo negativo enquanto ela está na baia de ordenha.

Certifique-se de que sua baia de ordenha seja robusta. Qualquer coisa de construção frágil será sacudida ou chutada enquanto sua vaca está se acostumando a ser ordenhada.

A baia de ordenha que construímos foi feita para reduzir a probabilidade de eu ser chutado. Tem uma abertura & # 8220 & # 8221 através da qual me inclino para alcançar o úbere, mas não permite que um casco solto ataque e me acerte no rosto.

Eu só fui chutado uma vez, quando tentei pegar um casco da frente para ver se ele precisava ser aparado. Fui cronometrado acima do olho esquerdo, um evento que me jogou para trás da caixa de ordenha e me deixou com um lindo olho roxo. A tentação de arrancar e dar um golpe naquela vaca idiota era forte - mas resisti. Novamente, nunca bata em sua vaca.

Quanto tempo uma vaca leva para aprender a se comportar na baia de ordenha? I & # 8217d dizer duas semanas no máximo e muito provavelmente menos. Nesse momento, ela aprenderá que quanto mais cedo se comportar, mais cedo a ordenha terminará. Ela ficará quieta (embora possa berrar) e permitirá que você termine o trabalho o mais rápido possível. No momento em que terminar, é claro, recompense-a por seu bom comportamento, deixando-a sair do estábulo e abrindo o cercado para bezerros.

Eu uso uma velha caixa de plástico para sentar enquanto faço a ordenha, do tipo que eles usam para transportar laticínios para o supermercado. Encontramos vários em um brechó e os consideramos úteis para esse propósito.

A ordenha

Coloque um pouco - não muito - de grãos na caixa de grãos na baia de ordenha e prenda a vaca.

Antes da ordenha, pegue uma tigela de água quente misturada com algumas gotas de água sanitária e um pano de prato velho. Limpe o úbere para remover qualquer sujeira ou esterco seco que possa ter aderido, prestando atenção especial à lavagem das tetas (eu uso água quente porque odeio a ideia de limpar o úbere com água fria, especialmente se estiver resfriado manhã). Em seguida, dê três boas espremidas em cada tetina, deixando o leite cair no chão. Isso elimina qualquer leite carregado de bactérias que possa ter se acumulado no teto durante a noite. O resto do leite no úbere ficará estéril.

A velha piada diz que algumas tetas dão leite com chocolate, outras dão baunilha. Na verdade, isso não está muito longe da verdade: o primeiro leite que sai do úbere é o leite desnatado; o leite traseiro, que sai quando o úbere está secando, é creme puro. Portanto, ordenhe o úbere o mais seco possível e o leite ficará mais rico. Obviamente, isso não acontecerá no primeiro dia.

O primeiro impulso que a maioria das pessoas tem quando se depara com o úbere de uma vaca é puxar as tetas em um esforço para tirar o leite. Pelo amor de Deus, não puxe - aperte.

A técnica adequada é segurar a parte superior da tetina entre o polegar e o indicador e apertar com força. Isso retém o leite na tetina e ele não se espreme para cima conforme você o espreme para baixo. Não seja delicado ou com medo de que um aperto forte machuque a vaca - ela não vai (você deve ver o que o bezerro faz!).

Agora traga o resto dos seus dedos, um de cada vez, juntos para baixo, apertando (não puxando!) Conforme você avança. Você será recompensado com um esguicho de leite morno em seu balde.

Lembre-se, não puxe, ou você pode ser recompensado com um chute de uma vaca irritada. (Não sei sobre você, mas se alguém tentasse puxar minha teta, eu também chutaria.)

Aqui está outro pequeno truque que aprendi: vacas chutam. A maioria não chuta para machucar você, eles batem com a perna traseira, como se para desalojar uma mosca irritante. Mas é claro, se o balde de ordenha estiver lá embaixo, eles chutam o balde, por assim dizer.

Portanto, não uso um balde de ordenha, pelo menos não diretamente sob o úbere. Em vez disso, eu leite com uma mão em um recipiente de plástico menor, em seguida, despejo o leite em um balde que fica bem longe dos pés da vaca. Dessa forma, se a vaca varrer e eu não for rápido o suficiente para arrancar o recipiente, eu perdi apenas alguns gramas, em vez de toda a ordenha da manhã.

Você pode ter o animal mais dócil do mundo, que nunca sonharia em bater com a perna traseira e chutar o balde. Se for assim, bom para você - você pode simplesmente puxar o banco de ordenha para perto da vaca, colocar o balde diretamente abaixo do úbere e pegar.

Minhas vacas não são assim, então eu ordeno com uma mão de cada vez. As duas tetas traseiras são mais fáceis de ordenhar com a minha mão esquerda e as duas tetas dianteiras com a direita, para que eu possa negociar sem que nenhuma das mãos fique muito cansada.

E não desista. Honestamente, fica melhor e mais fácil. Neste momento, por exemplo, demoro cerca de dois minutos para colocar seis animais no celeiro à noite, quando abro o portão do curral (um cavalo, um touro, duas vacas, dois bezerros). Todos eles se classificam para onde deveriam ir, se acomodam para comer a modesta proporção de grãos que eu lhes dou, eu tranco o cercado para bezerros e todos ficam felizes. Nossa rotina matinal, incluindo a ordenha de ambas as vacas, leva menos de meia hora. Todos sabem o que fazer, todos estão confortáveis ​​e tudo está em paz.

Lembre-se de que as vacas - como todo gado - são criaturas de hábitos extremos. Eles dão o melhor de si quando sua rotina diária varia muito pouco. Embora você não precise ser rígido ao ordenhar sua vaca pela manhã (dentro do razoável), você deve fazer o possível para ser rígido no que faz todas as manhãs. As vacas se dão melhor quando sabem o que esperar.

Desmame e procriação

A ordenha de manhã não venceu, o que significa que não sobrou leite suficiente para o bezerro? Em uma palavra, não.

Any (human) mother who has ever breastfed her babies knows that her milk production adjusts to the needs of the child. The more she is “milked,” the more milk she produces. Breastfeeding mothers recognize the “let down” sensation while nursing their babies, after which milk flow increases.

Same with cows. As far as the cow is concerned, you are just another (less attractive) calf demanding milk from her, and her body will adjust accordingly. Frequently during the milking, you can feel the cow’s udder start to fill up. Milk the udder as dry as you can.

The moment the calf is let loose, he starts to butt the cow’s udder in a way that looks terrifically painful but isn’t. It’s the signal to the cow that she should “let down” more milk. Within moments the calf is happily nursing, getting as much milk as he needs.

Keep in mind that cows have a lactation cycle. Cows do not uniformly produce the same quantity of milk, day after day, week after week. Rather, their milk production adjusts to the needs of their calf. The amount of milk cows give also varies from day to day (I always think of days with less milk as “bad hair days” for the cows). They give less milk during their heat cycles as well.

The lactation cycle runs as a bell curve, peaking when the calf is about a month old and gradually decreasing until such time as the calf is weaned.

You should breed back your cows when the calves are about three months old, using either a bull or artificial insemination. A cow’s gestation lasts about nine months and ten days. By breeding your cows when the calves are about three months old, the cows will have their calves about the same time every year. Personally, I like to breed my cows in September or October so they’ll have their calves in June or July. In our climate, where spring can be cold, I like having the calves born in warmer weather, but early enough in the season that they can grow and put on body fat before the harsh winter sets in.

Don’t anthropomorphize your cows. When I mentioned to my mother that cows should be bred back when the calves are three months old, she was horrified that the poor cow would be subjected to pregnancy so soon after giving birth (my mother, let it be known, had difficult pregnancies and labors). However, cows aren’t people. They are happiest and calmest when they are either pregnant or have a calf to occupy them.

Should you wean the calf at a certain age? I was convinced you were “supposed” to do this before the cow got pregnant again otherwise, it would stress the cow to be pregnant with a new calf while still nursing an older calf.

So we tried force-weaning our first calf by separating him from the cow. Suffice it to say it was a nightmare. In their efforts to get to each other, the cow and calf crashed through fences, gates, barn doors, and any other obstacle we could rig up. The noise was incredible. I was afraid the animals would injure themselves trying to get through the various barriers we installed. And it takes about a month, I’m told, to fully wean a calf! How on earth could we keep this up for a month?

Finally I called a cow-owning friend and asked if I could board the calf at her farm until the weaning was completed. My friend stopped me dead in my tracks with one simple question: “Why are you trying to wean the calf?”

“Well, um…” I finally stammered, “…because you’re supposed to? I mean, won’t it stress the cow too much to be simultaneously nursing a calf and being pregnant?”

“Well, how much stress is she under while you try to keep the calf separated?”

I had to admit that they were tremendously stressed out by the procedure.

“Are you satisfied with the amount of milk you’re getting from milking just in the morning?”

“Look,” my friend explained. “The cow will kick the calf off when she’s ready. Don’t worry, she knows what she’s doing.”

So trust your cow. She knows when it’s best to kick the calf away in plenty of time to marshal her resources for the growing fetus. By not force-weaning your calf, you reduce the stress level for you, the cow, and the calf. Besides, I see it as a more “natural” (I hate that word) cycle for your livestock.

What to do with the milk

What do you do once you have all that milk in a bucket? If you look at it, you might be appalled by the miscellaneous straw, cow hairs, or other incidental debris. (This is why commercial dairies don’t milk by hand.) Your next step is to strain the milk.

Straining is very simple. Cut up an old sheet or piece of muslin into squares large enough to line a colander. Dampen the muslin, line a colander with it, and place the colander over a clean container. Then simply pour the milk into the cloth-lined colander. What emerges is pure, clean milk.

Now, here’s another trick: Put the milk, uncapped, in the freezer for one hour, before capping it and putting it in the fridge. I’ve found that if you have a problem with a “cow-y” odor to the milk, the freezer trick tends to eliminate it.

After about a day, enough cream will have risen to the surface that you can skim it (or, as I do, suck it off with a turkey baster). The uses for cream, of course, are endless.

Impress your friends

É isso. While this sounds complex, once you get the hang of it you’ll wonder why you ever dreaded the idea of milking your cow. It goes without saying that everyone’s techniques, circumstances, set-up, and styles are different. You’ll settle into your own style once you get the hang of it. This information is meant to reassure you that milking your cow is do-able.

Plus you can impress the heck out of people. Recently at a writer’s conference, I was introduced to an author I admire. As we shook hands, she commented on the strong grip I had. I smiled sheepishly and replied, “I milk cows.” Her eyes widened, and she gasped, “You milk cows?” Turns out this woman admired the Simple Living concept but had never met anyone who actually lived it. While I was impressed to meet her, apparently she was also impressed to meet me.

So, go milk your cow. You’ll amaze the heck out of your city friends.


Dairy cattle should consume enough forage material – pasture grasses, fodder, and silage – to meet their daily caloric requirements. This can be achieved through grazing, using feeding equipment, or a combination of both. Common wet and dry forage materials include corn, barley, hay, alfalfa, and pasture grasses.

Learn how to determine forage quality, and understand forage ranking quality factors. Use our resources to get actionable insights on pasture quality and dairy grazing management.

To ensure the health and productivity of their cattle, dairy producers add various supplements and additives to the feed. High-energy supplements are often used for pasture-based nutritional systems, as are fat and alternative forage supplements.

Adequate intake of clean water is just as important as feeding for healthy cattle and milk production. You can find more information on cattle water requirements here, and get advice on watering systems in the Dairy Facilities and Milking Equipment section.

Feeding cows the right amount of food in the right combination helps them to maintain a healthy weight. Underweight or malnourished cows are unlikely to produce a high volume of good milk. Body condition scoring can help you determine whether a cow is at a healthy weight.


Training the Determined Kicker

Lee Anne B., moderator of the wonderful Keeping a Family Cow online forum, has found a less invasive training trick that has been highly successful for her and others. She describes it thus:

&ldquoRun a broom handle into the middle finger of an old winter glove, and duct-tape it on securely. Secure your recalcitrant cow in her stanchion or tie-up, and stand near her shoulder, out of kicking range. With the end of the broom handle in your hand, and the body of the handle near her belly, place the &ldquoglove on a stick&rdquo against her udder. She can kick all she likes without risk of injury to you, and no matter how much she kicks, the &ldquoglove on a stick&rdquo will not go away. If she kicks it out of your hand, just pick it up and put it right back. It may take two minutes, or it may take twenty, but eventually she will settle down and stop kicking. Praise her gently, stroke her shoulder, and, still holding the end of the stick, rub the glove all over her udder, teats, belly, and back legs. Use the glove to touch her calmly but purposefully everywhere you will touch her when you are milking. If she kicks, hold the glove in that spot until she stops, and then rub it over the spot that gave her offense until she accepts it calmly. Then take a few deep breaths, grab your stool and bucket, and get to milking!&rdquo

The kick of a cow is never, so far as I know, fatal, and seldom even seriously dangerous, but it can certainly make milking impossible. Unlike a horse, a cow is not an athlete. Her kick is analogous to what a human can do without bending the knee. If truly angry or frightened, she can kick backward with her front leg using a short flipping motion.

She can also whip her tail around. This can be annoying. In desperation you can tie it down to her off hind leg. If you tie it to the wall instead, use a light string that will break away. Otherwise someday you&rsquoll forget to untie it when you let her out and her tail will break when she walks away. Resist the temptation to cut off the tail hair (called her switch). When it reaches to the ground it is just long enough so she can flick flies off her withers. The hair grows back very slowly. It may take a year to grow out. If it is dirty, it is preferable to soak or comb it clean rather than cutting it. This may not seem important in winter, when the switch is most likely to get filthy. But if she can&rsquot switch flies to her satisfaction, next summer she will spend a lot of time hiding in the shade when she ought to be grazing.

Dairy cows have been bred for centuries not only for milk production but for good temperament. As with all creatures, there are different dispositions, and if you have ended up with a truly intractable cow, get rid of her. Most dairy cows, while kicking occasionally, are pretty cooperative and kick only when they think they have a good reason.


How To Make Easy Vanilla Ice-cream | Quick And Easy Vanilla Ice-cream Recipe:

  • Boil full cream milk on medium flame. Take 4-5 spoon milk in a bowl and keep side.
  • In that bowl of milk, add custard powder and mix. If there's no custard powder around, replace it with corn flour.
  • In the boiling milk, add sugar and custard powder mix and stir continuously to avoid any lump.
  • When the milk thickens, switch off the flame and add vanilla essence.
  • Add malai, mix everything together and transfer it to an airtight container.
  • Add a plastic sheet or foil on the box before closing the lid. Now, refrigerate for 3 hours.
  • After 3 hours, take it out and pour the ice-cream in a blender and blend. This will help adding extra creaminess to the dish.
  • Again, transfer it to the box and refrigerate for at least 8 hours.

And your creamy, soft and melting-in-mouth vanilla ice-cream is all set to be relished. Have it as is or garnish with nuts, chocolate sauce or anything of your choice and indulge.

For a detailed recipe, check out this video shared by vlogger Parul on her YouTube channel 'Cook With Parul':

About Somdatta Saha Explorer- this is what Somdatta likes to call herself. Be it in terms of food, people or places, all she craves for is to know the unknown. A simple aglio olio pasta or daal-chawal and a good movie can make her day.


According to professor of evidence based medicine at Oxford Dr. Carl Heneghan , who is also an emergency GP, most diabetic, heart disease & alzheimer's deaths were categorized as COVID deaths in the United Kingdom.

How many deaths have actually been a result of COVID? Why is this pandemic surrounded with so much controversy? Why does mainstream media fail at having appropriate conversations about 'controversial' evidence/opinions?

Take a moment and breathe. Place your hand over your chest area, near your heart. Breathe slowly into the area for about a minute, focusing on a sense of ease entering your mind and body. Click here to learn why we suggest this.

Dr. Carl Heneghan has an interesting view on the pandemic, not only is he a professor of evidence-based medicine at Oxford University, he also works Saturday shifts as an emergency GP. This allows him to see healthcare from both the academic perspective as well as the healthcare experience, more specifically, it allows him to see COVID from both perspectives.

What Happened: In a recent article he wrote for The Spectator, he writes the following,

It’s hard to imagine, let alone measures, the side effects of lockdowns. The risk with the government’s ‘fear’ messaging is that people become so worried about burdening the NHS that they avoid seeking medical help. Or by the time they do so, it can be too late. The big rise in at-home deaths (still ongoing) points to that. You will be familiar with the Covid death toll, updated in the papers every day. But did you know that since the pandemic, we’ve had 28,200 more deaths among diabetics that we’d normally expect? That’s not the kind of figure they show on a graph at No. 10 press conference. For people with heart disease, it’s 17,100. For dementia and Alzheimer’s, it’s 22,800. Most were categorised as Covid deaths: people can die with multiple conditions, so they can fall into more than one of these categories. It’s a complicated picture. But that’s the problem in assessing lockdown. you need to do a balance of risks.

Evidence-based medicine might sound like a tautology — what kind of medicine isn’t based on evidence? I’m afraid that you’d be surprised. Massive decisions are often taken on misleading, low-quality evidence. We see this all the time. In the last pandemic, the swine flu outbreak of 2009, I did some work asking why the government spent £500 million on Tamiflu: then hailed as a wonder drug. In fact, it proved to have a very limited effect. The debate then had many of the same cast of characters as today: Jonathan Van-Tam, Neil Ferguson and others. The big difference this time is the influence of social media, whose viciousness is something to behold. It’s easy to see why academics would self-censor and stay away from the debate, especially if it means challenging a consensus.

This is something that’s been a concern since the beginning of the pandemic. For example, a report published during the first wave in the British Medical Journal titled Covid-19: “Staggering number” of extra deaths in community is not explained by covid-19″ has suggested that quarantine measures in the United Kingdom, as a result of the new coronavirus, may have already killed more UK seniors than the coronavirus has during the months of April and May.

According to the data, COVID-19, at the time of publication, only accounted for 10,000 of the 30,000 excess deaths that have been recorded in senior care facilities during the height of the pandemic. The article quotes British Health officials stating that these unexplained deaths may have occurred because quarantine measures have prevented seniors from accessing the health care that they need.

Fast forward to more recent research regarding lockdowns, and these concerns have grown. Professor Anna-Mia Ekström and Professor Stefan Swartling Peterson have gone through the data from UNICEF and UNAIDS, and came to the conclusion that at least as many people have died as a result of the restrictions to fight COVID as have died of COVID. You can read more about that here.

These are just a few of many examples. You can read more about the hypothesized “catastrophic” impacts of lockdown, here.

When it comes to what he mentions about academics shying away from debate, especially if their research goes against the grain, we’ve a seen a lot of that too. Here’s a great example you can read about from Sweden regarding zero deaths of school children during the first wave despite no masks mandates or lockdown measures. Jonas F Ludvigsson, a paediatrician at Örebro University Hospital and professor of clinical epidemiology at the Karolinska Institute is quitting his work on COVID-19 because of harassment from people who dislike what he has discovered.

Why This Is Important: Heneghan’s words are something that many people have been concerned about when it comes to the deaths that are attributed to COVID-19. How many of them are actually a result of COVID? The truth seems to be that we don’t really know. But one thing we do know is that total death toll caused by COVID doesn’t seem to be quite accurate.

That being said, we do know that people with comorbidities are more susceptible to illness and death from COVID, and that’s something to keep in mind. For people with underlying health conditions, covid, just like flu or pneumonia, can be fatal.

Ontario (Canada) Public Health has a page on their website titled “How Ontario is responding to COVID-19.” On it, they clearly state that deaths are being marked as COVID deaths and are being included in the COVID death count regardless of whether or not COVID actually contributed to or caused the death. They state the following:

Any case marked as “Fatal” is included in the deaths data. Deaths are included whether or not COVID-19 was determined to be a contributing or underlying cause of death…”

This statement from Ontario Public Health echoes statements made multiple times by Canadian public health agencies and personnel. According to Ontario Ministry Health Senior Communications Advisor Anna Miller:

As a result of how data is recorded by health units into public health information databases, the ministry is not able to accurately separate how many people died directly because of COVID versus those who died with a COVID infection.

“Individuals who have died with COVID-19, but not as a result of COVID-19 are included in the case counts for COVID-19 deaths in Toronto.”

It’s not just in Canada where we’ve seen these types of statements being made, it’s all over the world. There are multiple examples from the United States that we’ve covered since the start of the pandemic.

For example, Dr. Ngozi Ezike, Director of the Illinois Department of Public Health stated the following during the first wave of the pandemic:

If you were in hospice and had already been given a few weeks to live and then you were also found to have COVID, that would be counted as a COVID death, despite if you died of a clear alternative cause it’s still listed as a COVID death. So, everyone who is listed as a COVID death that doesn’t mean that was the cause of the death, but they had COVID at the time of death.

Also during the first wave, the Colorado Department of Public Health and Environment had to announce a change to how it tallies coronavirus deaths due to complaints that it inflated the numbers.

As you can see, we’ve struggled to find an accurate way to go about tallying COVID deaths since the start, creating more fear and hysteria around total numbers that are plastered constantly in front of citizens by news stations. That being said, a lot of people who are dying of COVID do have co-morbidities as well. But as the professor says, “it’s a complicated picture” and hard to figure out, and probably something we will never figure out.

There’s been a lot of “fear mongering” by governments and mainstream media, and some believe that lockdowns and masks are simply being used as a psychological tool to keep that fear constant, which in turn makes it easier to control people and make them comply.

Meanwhile, there are a lot of experts in the field who are pointing to the fact that yes, COVID is dangerous, but it does not at all warrant the measures that are being taken, especially when the virus has a 99.95 percent survival rate for people over the age of 70. There are better ways to protect the vulnerable without creating even more chaos that lockdown measures have created, and are creating throughout this pandemic.

That said, it’s also important to note that some calls for lockdown measures are focused on stopping hospitals from becoming overwhelmed. Why do some places with very restrictions see no hospital capacity issues? Why do some places with a lot of restrictions see hospital capacity issues? Why do we also see the opposite for both in some areas? These questions appear to be unanswered still. That being said. Hospitals have always been overwhelmed. This is not a new phenomenon.

The main issue here is not who is right or wrong, it’s the censorship of data, science, and opinions of experts in the field. The censorship that has occurred during this pandemic has been unprecedented.

Science is being suppressed for political and financial gain. COVID-19 has unleashed state corruption on a grand scale, and it is harmful to public health. Politicians and industry are responsible for this opportunistic embezzlement. So too are scientists and health experts. The pandemic has revealed how the medical-political complex can be manipulated in an emergency—a time when it is even more important to safeguard science. – Dr. Kamran Abbasi, recent executive editor of the prestigious British Medical Journal (source)

This censorship alone has been an excellent catalyst for people to question what we are constantly hearing from mainstream media, government, and political scientists. Any type of information that calls into question the recommendations or the information we are receiving from our government seems to be subjected to this type of censorship. Mainstream media has done a great job at not acknowledging many aspects of this pandemic, like clinically proven treatments other than a vaccine, and therefore the masses are completely unaware of it.

Is this what we would call ethical? When trying to explain this to a friend or family member, the fact that they are not aware of these other pieces of information, because they may be avid mainstream news watchers, has them in disbelief and perhaps even sometimes labelling such assertions as a “conspiracy theory.” This Brings me to my next point.

The Takeaway: As I’ve said in a number of articles before, society is failing to have conversations about “controversial” topics and viewpoints. This is in large part due to the fact that mainstream media does such a poor job at covering these viewpoints let alone acknowledging them. The fact that big media has such a stranglehold over the minds of many is also very concerning, because we are living in a time where independent research may be more useful. There seems to be massive conflicts of interest within mainstream media, and the fact that healthy conversation and debate is being shut down by mainstream media contributes to the fact that we can’t even have normal conversations about controversial topics in our everyday lives.

Why does this happen? Why can’t we see the perspective of another? To be honest, I still sometimes struggle with this. When it comes to COVID, things clearly aren’t as black and white as they’re being made out to be, and as I’ve said many times before when things aren’t clear, and when government mandates oppose the will of so many people, it reaches a point where they become authoritarian and overreaching.

In such circumstances I believe governments should simply be making recommendations and explaining why certain actions might be important, and then leave it to the people to decide for themselves what measures they’d like to take, if any. O que você acha? One thing is for certain, COVID has been a catalyst for more and more people to question the world we live in, and why we live the way that we do.

To help make sense of what’s happening in our society today, we have released a course on overcoming bias and improving critical thinking. It’s an 8 module course and you can learn more about it here.

Dive Deeper

Click below to watch a sneak peek of our brand new course!

Our new course is called 'Overcoming Bias & Improving Critical Thinking.' This 5 week course is instructed by Dr. Madhava Setty & Joe Martino


Assista o vídeo: Diana y Roma - dulces y caramelos, Desafío para niños (Dezembro 2021).